Edgar Morin: ensinar a complexidade

04/07/2021
Posted in Artigos
04/07/2021 Core

Como é ensinado hoje, o conhecimento não percebe bem a complexidade: ou ele separa os dados ou vê apenas confusão. A este compartimentado e redutor conhecimento, Edgar Morin opõe um conhecimento de conexão, um conhecimento complexo, que rompe as barreiras tradicionais entre disciplinas e torna possível preencher um “buraco negro” em nossos sistemas educacionais.

Palestra inaugural que Edgar Morin proferiu no Congresso Mundial de Pensamento Complexo na UNESCO em 8 de dezembro de 2016. Leia este trecho, dedicado à complexidade do ensino, publicado na Revista Correio da Unesco.

A complexidade é um desafio para o conhecimento, para o pensamento, para a ação. Nossa realidade, seja ela física, biológica ou social, é um estranho coquetel de ordem, desordem e organização. Por ordem, quero dizer não apenas determinismo, mas também estabilidade, regularidade; por desordem, quero dizer não apenas acaso, mas também degradação, conluio; por organização, quero dizer todos aqueles sistemas que foram criados, desde o átomo até as estrelas e, marginalmente, a vida e a espécie humana em nosso planeta.

O complexo de toda organização é que ela produz qualidades que não existem nas partes constituintes dos sistemas. Assim, a vida, que é feita de moléculas físico-químicas, criou, como organização, qualidades tais como reprodução, auto-reprodução, conhecimento, etc.

O conhecimento – como é ensinado hoje – percebe mal a complexidade: ou ele separa os dados ou só vê confusão. Pois o conhecimento nunca é uma fotografia da realidade. É sempre uma tradução e uma reconstrução que carrega o risco de erro. Ela é governada em profundidade pelo que se pode chamar de paradigma da disjunção, em outras palavras: queremos entender um todo complexo a partir de seus elementos constituintes, separados de seu ambiente e dos conjuntos dos quais fazem parte.

O homem não é uma máquina trivial

A sociologia, por exemplo, tende a dissolver o indivíduo, a psicologia tende a dissolver a sociedade, a economia dominante quer saber apenas por cálculo: crescimento, PIB, pesquisas de opinião, etc. Mas este cálculo destrói a carne e vê apenas o esqueleto. Mas este cálculo destrói a carne e vê apenas o esqueleto. Assim, passamos a separar o homem cultural do homem biológico, e a impor uma visão tecno-econômica, que não só acredita saber essencialmente por cálculo, mas sonha hoje com uma algoritmização total da sociedade e do homem. O algoritmo nos permite conhecer antecipadamente as ações de uma máquina trivial, cujo comportamento é previsível, assim que conhecemos seu programa. No entanto, é precisamente a natureza dos seres humanos que eles não são máquinas triviais. A evolução da vida é uma sucessão de metamorfoses, nossa vida é composta de uma sucessão de eventos inesperados, revelações, encontros que nos transformam.

Esta visão redutora do homem, da sociedade, da vida, está na origem dos erros e ilusões que proliferaram e ainda proliferam, levando à atroz carnificina que é a guerra.

É a esta forma de pensar que separa e desagrega, que me oponho ao conhecimento complexo, seguindo o princípio pascaliano segundo o qual “Todas as coisas sendo causadas e causadoras, ajudadas e ajudadas, mediadas e imediatas, e todas sendo mantidas por um vínculo natural e insensível que une os mais distantes e os mais diferentes, sustento que é impossível conhecer as partes sem conhecer o todo mais do que é possível conhecer o todo sem conhecer particularmente as partes”. ”

Este princípio de Pascal tem sido mal compreendido há muito tempo porque vivemos sobre os princípios cartesianos de dividir e separar para saber. Os princípios de Descartes tiveram conseqüências úteis na especialização do conhecimento, certamente, mas impediram qualquer visão geral, qualquer visão global, qualquer visão complexa.

O ensino dos sete conhecimentos

Tudo o que diz respeito ao ser humano está disperso em todas as ciências, e todas as ciências, incluindo o conhecimento filosófico, devem estar conectadas. É por isso que eu digo que a complexidade é ensinada.

É essencial treinar mentes para contextualizar todas as informações e conhecimentos factuais, para poder integrar o conhecimento ao sistema no qual ele se encontra e no qual participa. É necessário, portanto, ensinar os métodos que permitem compreender as relações mútuas e as influências recíprocas entre as partes e o todo em um mundo complexo.

A mente que quer saber encontra sempre ambivalência e contradições. O verdadeiro conhecimento não é o que os rejeita – pois isso seria redutor e simplificador – mas o que os confronta. O que precisamos ensinar é a capacidade de pensar que os antagonismos podem ser complementares.

Gostaria de voltar a um de meus livros, publicado pela UNESCO em 1999: Os sete saberes necessários à educação do futuro.

Trata em particular da educação na ética da raça humana, na compreensão humana, no confronto de incertezas e na identidade da Terra.

O ensino dos sete conhecimentos multiplica as abordagens e permite que tanto professores quanto alunos adquiram uma cultura, ou seja, algo que vai além da especialidade. De fato, é essencial que os estudiosos da literatura e da filosofia se inspirem nas formidáveis realizações das ciências, assim como as ciências devem refletir sobre suas próprias implicações sociais e culturais.

Eu acrescentaria que literatura e poesia não são apenas coisas que nos dão belas emoções. Eles nos ensinam o que é ser humano, eles nos ensinam sobre a vida. Estas são conquistas fundamentais. Portanto, tudo que tende a reduzir as humanidades a conhecimentos puramente técnicos e especializados pode ser chamado de bárbaro.

O ponto central do ensino dos sete conhecimentos continua sendo o da condição humana. Em nenhum lugar é ensinado o que nós, seres humanos, somos. Este é um enorme buraco negro em nossos sistemas educacionais. A complexa unidade da natureza humana tem sido desintegrada na educação através de diferentes disciplinas. Parte da complexidade do ensino é restaurar a unidade da natureza humana para que todos, onde quer que estejam, se tornem conscientes e conscientes tanto de sua complexa identidade quanto de sua identidade comum com todos os outros seres humanos.

Edgar Morin, 2016

Original em francês na Revista Correio da Unesco.

 

 

,
× Precisa de ajuda?