Regras do Jogo

05/03/2020
Posted in Colunistas
05/03/2020 Raquel Del Monde

Incluir os alunos na elaboração das regras da sala de aula é uma jogada de mestre. Crianças e adolescentes geralmente nos surpreendem com suas perspectivas a esse respeito. Quando são convidados a participar desse processo, suas expectativas e receios são validados. Eles passam a sentir-se responsáveis pelo resultado, esforçando-se para cumprir os combinados (e vigiar os colegas para que cumpram também!).

O professor atua como um facilitador, apontando os aspectos essenciais para os alicerces de um ambiente respeitoso, e oferece modelos e exemplos na condução da discussão.

Algumas dicas costumam ser úteis para o sucesso da empreitada:

  • Devemos criar o menor número de regras possíveis (3 ou 4 para os menores). Para isso, podemos agrupar aquelas com o mesmo objetivo. Por exemplo, em uma regra para coibir agressões, podemos incluir violência física (chutar, bater, empurrar etc.), verbal (xingamentos, ofensas, deboches, provocações) e destruição de patrimônio.
  • As regras devem ser claras para todos, bem como as consequências para as infrações. Certifique-se que foram bem compreendidas.
  • As regras precisam estar sinalizadas, de forma acessível. Para crianças não alfabetizadas ou com dificuldades na comunicação, podemos usar imagens que representem as deliberações da classe. Use a imaginação: que tal gravar um pequeno vídeo no qual as próprias crianças apresentam as regras?
  • Certifique-se que as regras abrangem os problemas rotineiros da classe e revise-as quando necessário.
  • Em caso de falhas, investigue as razões do insucesso. Algumas vezes, elas revelam expectativas irreais (como esperar que crianças do Infantil fiquem imóveis e atentas por um tempo longo), comunicação ineficiente ou dificuldades individuais (como acontece com crianças neuroatípicas, por exemplo, que podem precisar de suportes mais específicos).
  • Crie oportunidades para o sucesso e um clima de colaboração entre os alunos. Prêmios coletivos (como um tempo extra de recreio, permissão para uma brincadeira ou para uma atividade do interesse de todos) incentivam o esforço para alcançar um determinado objetivo.

 

 

, , , ,

Raquel Del Monde

Dra Raquel Guimarães Del Monde é pediatra e psiquiatra infantil com atuação em desenvolvimento, aprendizagem e autismo. É autora do livro “Na dose certa – o que mais o pediatra tem a dizer”. É Mentora da CORE - Comunidade Reinventando a Educação.
× Precisa de ajuda?