Cérebro: menos é mais

Setembro 9, 2019
Posted in Colunistas
Setembro 9, 2019 Irene Reis dos Santos

Onde estamos colocando nossa atenção? O que realmente queremos reter em nossa memória? É essencial que saibamos como funciona nossa atenção e memória. Memorizamos o que entendemos que garante nossa sobrevivência, a perpetuação de nossa espécie.

Quando entendemos como funcionamos, respeitamos o princípio de que menos é mais, ou seja, menos estresse negativo e excesso de agitação resulta em mais atenção e melhor memória.

Estudar enquanto responde mensagens de celular não é tão produtivo quanto estar focado no que se está fazendo, e isso vale para tudo na vida. Sempre que dividimos nossa energia atencional com algo que fuja de nosso foco, estamos menos produtivos, demoraremos mais para chegar onde queremos.

Neuropsicoeducar-se significa ser capaz de mudar sua própria história, para além da carga genética e das experiências vividas. Além disso, permite que nos conheçamos sem disfarces, sem maquiagens sociais, sem mentiras e, ao mesmo tempo, com muita aceitação, sabendo que contamos com neuroplasticidade, capacidade de dar novas formas ao nosso cérebro, a partir da aquisição de conhecimentos, da prática de novas rotinas. Há que se promover uma viagem ao nosso mundo interno – a mais difícil de todas as viagens. Este tipo de incursão nos permite mapear nossos pontos fracos e nossas fortalezas, dimensionando os esforços que precisamos empreender para melhorar nosso ser e nossa presença no mundo.

Estabeleçamos um compromisso conosco, com nossa existência. Entendamos que ensinamos a partir de quem somos e, por isso, precisamos e podemos ser melhores hoje que ontem. Podemos fazer deste exercício nosso verdadeiro prazer.

E você? Do que já sabe e o que precisa aprender sobre você?

 

Irene Reis dos Santos – É bacharel e licenciada em letras – Português e Espanhol pela FFLCH – USP, especialista em tradução, pesquisando, no mestrado em Ciências da Educação, sobre participação de estudantes na comunidade por meios de Grêmios. Atualmente, leciona espanhol no Instituto Cervantes, contribui com editoras e é fundadora e presidente da CORE – Comunidade Reinventando a Educação (coreduc.org), entidade do terceiro setor que fomenta parcerias em prol da educação pública. Irene acredita que as vivências interculturais e a aprendizagem baseada em projetos de vida em comunidade são a chave para o complexo desenvolvimento da sociedade planetária.

, , , , ,
× Precisa de ajuda?